Quando fazemos o que amamos …

By Terça-feira, Julho 12, 2016 2 , Link 2

Primeiro post e então e agora chegámos (finalmente) ao Verão, sol, boa disposição e tudo é possível, acreditamos que podemos ser tudo, e tudo é tudo, entramos numa fase, como se estivéssemos a representar o nosso Eu, miúdos e graúdos, com sucesso, ou em vias de… e depois penso, isto vai passar, e ainda vou a tempo? Então entro numa conversa dual comigo mesma, com o meu lado racional e com o meu lado criativo, e na maioria das vezes nem sei quem sai a ganhar…

…pensei em conversar sobre “prazer e satisfação no nosso trabalho”, bem sei que nesta altura não soa bem, trabalho? “Mas falaste em prazer”… acreditem, pensei na melhor maneira de explorar o assunto, pois acredito que ainda dá tempo, principalmente agora com sol… E a forma que encontrei, foi a partilhar as coisas que eu tenho vivido até hoje em relação à profissão que escolhi.

A começar pela tarefa menos fácil de decidir qual o caminho a seguir quando nos tornamos “gente crescida”. Acredito que este seja o passo menos fácil. Eu própria, levei muito tempo para me descobrir. Frequentei a universidade numa área que eu na altura nem sabia muito bem o que ia dar, sim já lá vão uns anitos, acabei em 1996 imaginem, quando acabei, fui a uma empresa pedir um patrocínio para um evento e fui convidada para trabalhar lá, e aceitei. Sinto-me the queen of the town… viajei, a sede da empresa era em Valência, aprendi muito, progredi, tinha um bom salário, contudo em pouco tempo de ”carreira” cansei-me. Cansei-me, porque não fazia o que gostava. E quando nos prontificamos a fazer qualquer coisa sem aquela ”pica” das duas uma: Ou te cansas e partes para outra ou acomodas-te e ficas frustrado a carregar o fardo para o resto da vida. E ficar acomodada e sem perspectiva de nada, não combinava nada comigo. Então, fui à luta.

Que jornada… Porque afinal de contas eu não era mais nenhuma miúda. Já estava na casa dos vinte e poucos… E muitos, ainda diriam: ” Ah, tu tens a vida toda pela frente! ” Mas eu sempre tive pressa. Para tudo. O que me faz ser impulsiva na maioria das vezes, e acho até melhor assim. Enfim… muitos falaram que eu estava a fazer a escolha errada, muitos criticaram-me nas costas… existem sempre pessoas covardes de sobra, para te mostrar, que o caminho tem algumas curvas. Do meu lado era eu, Deus, alguns poucos amigos. E claro, a minha mãe e o meu pai, que mesmo com o coração apreensivo, estavam lá para me apoiar. Era tudo que eu precisava.

Pois bem, larguei tudo e fui atrás do meu sonho. Engraçado dizer isso, porque até há pouco tempo atrás, eu acreditava que o meu sonho era mesmo na criação de eventos e multimédia, e acabei a viajar por Portugal, conheci pessoas incríveis e cresci, cresci muito, na altura eu acreditava que tinha o mundo na mão, não havia impossíveis e descobri que aquilo ali era perfeito para mim, e que eu tinha talento para a coisa. E o talento era qual? Falar com pessoas, pois como produtora executiva era eu que ia apresentar os projetos, tratar da logística, enfim sentia-me uma verdadeira self made woman. Desde então passou a ser um sonho meu. E foi assim que larguei tudo e resolvi viver.

E pensam vocês, uau, que fixe e ousado, podermos correr atrás dos nossos sonhos não é? Mesmo que para isso, precises de uma boa dose de loucura e pulso firme, para controlar os obstáculos que a vida te impõe. Principalmente, quando tens desejos altos demais. E quando julgava eu que estava mais próxima do meu topo, caí pela montanha abaixo, e acredita, houve momentos que pensei que não me ia levantar… contudo, fruto da minha teimosia, acreditei, que dali onde estava, só havia um caminho, ir em frente. Se me senti sozinha? O mundo tinha-se virado de costas para mim…Houve minutos que eu pensei que não chegariam a horas, e noites que não virariam dias, mas a raiva que me consumia, também me dava gás para seguir em frente… tanta vez dizia a mim própria, raios ma partam se eu não consigo…. E a minha fé deu-me alento nas horas que precisava, e a vida foi colocando no meu caminho, novas peças para eu comecei a construir um novo puzzle… e foi nesse momento que eu mais acreditei, que queria ir em busca do meu sonho, afinal onde o tinha deixado?? E queria ir em busca de outra coisa que tinha perdido também, a auto-estima… e foi então que…

 

2 Comentários
  • Inês Carreira
    Julho 13, 2016

    Como gosto tanto tanto disto Maria…
    Blog fantástico,moderno,com bom gosto,fascinante e viciante…
    Letras puras…com Elevada grandiosidade .
    Aqui desejo que sejas muito muito feliz como tu mereces e desejas.

    Ps: vale tanto a pena “passar” por aqui!

    • Maria Forte
      Julho 14, 2016

      São palavras como estas que me alimentam a alma e a vontade de escrever… estás na minha vida quase há duas décadas e o sentimento é o mesmo, mais maduro, mas intenso, verdadeiro…. desejo-te feliz, merecedora que o mundo reconheça a “artista” que grita e se quer mostrar criança livre😃.
      Gratidão por fazeres parte da minha vida….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *